Transtorno Afetivo Bipolar

O que é o Transtorno Bipolar?

O Transtorno Bipolar, também conhecido como doença maníaco-depressiva, é um transtorno mental que causa mudanças incomuns do humor, energia, níveis de atividade e da habilidade de realizar as tarefas do dia-a-dia. Os sintomas do Transtorno Bipolar são graves. Eles são diferentes dos altos e baixos que todos passamos de tempos em tempos. Os sintomas do Transtorno Bipolar podem resultar em relacionamentos prejudicados, desempenho insatisfatório no trabalho e na escola e até mesmo suicídio. Entretanto o Transtorno Bipolar pode ser tratado e portadores deste transtorno podem viver vidas plenas e produtivas.

O Transtorno Bipolar geralmente aparece ao final da adolescência e/ou início da vida adulta. Pelo menos metade dos casos iniciam-se antes dos 25 anos.1 Algumas pessoas têm seus primeiros sintomas durante a infância, enquanto outras só vão manifestar os sintomas tarde na vida.

O Transtorno Bipolar não é fácil de perceber no início. Os sintomas muitas vezes parecem problemas separados, não reconhecidos como parte de um único problema maior. Algumas pessoas sofrem por anos antes de serem corretamente diagnosticadas e tratadas. Como diabetes ou doenças cardíacas, o Transtorno Bipolar é uma doença de longa duração que deve ser manejada com cuidado ao longo da vida da pessoa.

Quais são os sintomas do Transtorno Bipolar?

As pessoas com Transtorno Bipolar vivenciam estados emocionais intensos fora do comum em períodos distintos chamados "episódios de humor". Um estado de supraexcitação ou alegria exagerada é chamado de episódio maníaco e um estado extremamente triste e de desesperança é chamado episódio depressivo. Às vezes, um episódio de humor inclui ambos os sintomas de episódios maníacos e depressivos. Isto é chamado de estado misto. Portadores do Transtorno Bipolar também podem ficar explosivos e irritados durante um episódio de humor.

Mudanças extremas na energia, atividade, sono e comportamento acontecem juntos com estas mudanças de humor. É possível que alguém com Transtorno Bipolar passe por longos períodos de humor instável ao invés de pequenos episódios de mania ou depressão.

Uma pessoa pode estar tendo um episódio de transtorno bipolar se ele ou ela apresenta um número de sintomas maníacos ou depressivos ao longo do dia, quase todos os dias, por pelo menos uma ou duas semanas. Às vezes os sintomas são tão graves que a pessoa não consegue funcionar normalmente no trabalho, escolar ou em casa.

Os sintomas do Transtorno Bipolar são descritos abaixo.

Sintomas de mania ou episódio maníaco incluem: Sintomas de depressão ou episódio depressivo incluem:

Mudanças no humor

  • Um longo período sentindo-se "elevado" ou exageradamente feliz ou com elação do humor
  • Humor extremamente irritado, agitação, sentindo-se "ligado" ou "agitado".

Mudanças no Comportamento

  • Falando muito rápido, pulando de uma ideia para outra, tendo pensamentos acelerados
  • Facilmente distraído
  • Aumento de atividades direcionadas a um objetivo, como iniciando novos projetos
  • Incansável
  • Dormindo pouco
  • Tendo uma crença não realista quanto às próprias habilidades
  • Comportando-se impulsivamente e se envolvendo em muitas atividades prazerosas, de alto-risco, como gastando tudo o que tem, sexo impulsivo, investimentos impulsivos nos negócios.

Mudanças no humor

  • Um longo período sentindo-se angustiado ou vazio
  • Perda de interesse em atividades que antes gostava, incluindo sexo.

Mudanças de Comportamento

  • Sentindo-se cansado ou "lentificado"
  • Tendo problemas de concentração, para lembrar-se das coisas e tomar decisões
  • Sentindo-se inquieto ou irritado
  • Mudança no apetite, sono ou outros hábitos
  • Pensando em morte ou suicídio ou tentando suicídio.

Algumas pessoas com transtorno bipolar apresentam hipomania. Durante os episódios de hipomania, a pessoa pode apresentar um aumento de energia e níveis de atividade que não são tão intensos como na mania ou ele ou ela podem apresentar episódios que duram menos de uma semana e não necessitam atenção em unidades de urgência. Uma pessoa durante um episódio hipomaníaco pode se sentir muito bem, ser altamente produtiva e funcionar bem. Esta pessoa pode não sentir que há algo errado mesmo quando sua família e amigos notam que estas mudanças de humor podem ser um transtorno bipolar. Sem o tratamento adequado, entretanto, pessoas com hipomania podem desenvolver quadros graves de mania e depressão.

Durante um episódio ou estado misto, os sintomas frequentemente incluem agitação, sono perturbado, grandes mudanças no apetite e pensamentos suicidas. Pessoas em estado misto podem sentir-se muito tristes ou sem esperança e ao mesmo tempo extremamente energizadas.

Algumas vezes, uma pessoa com episódios graves de mania ou depressão apresenta sintomas psicóticos também, como alucinações e delírios. Os sintomas psicóticos tendem a refletir o estado extreme de humor da pessoa. Por exemplo, sintomas psicóticos em uma pessoa durante o episódio maníaco podem incluir a crença de que ele ou ela é uma pessoa famosa, tem muito dinheiro ou poderes especiais. Da mesma maneira, alguém durante um episódio depressivo grave pode acreditar que está falida ou que cometeu um crime muito grave. Como resultado, portadores de transtorno bipolar com sintomas psicóticos podem ser erroneamente diagnosticados como tendo esquizofrenia, outro transtorno mental grave ligado a delírios e alucinações.

Portadores do transtorno bipolar também podem apresentar problemas comportamentais. Podem abusar de álcool ou substâncias psicoativas, ter problemas nos relacionamentos ou desempenho insatisfatória na escola ou no trabalho. No início, não é fácil identificar estes problemas como sinais de um transtorno mental grave.

Como o Transtorno Bipolar afeta uma pessoa ao longo do tempo?

O Transtorno Bipolar costuma durar toda a vida. Episódios de mania e depressão surgem com o tempo. Entre os episódios, muitas pessoas com transtorno bipolar ficam livres de sintomas, mas outras podem permanecer com sintomas leves.

Os médicos costumam diagnosticar os transtornos mentais usando as diretrizes do Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais, ou DSM. De acordo com o DSM, existem quatro tipos básicos de Transtorno Bipolar:

  1. Transtorno Bipolar Tipo I é geralmente definido por episódios maníacos ou mistos que duram pelo menos sete dias ou por sintomas maníacos que são tão graves que a pessoa necessita internação hospitalar imediata. Geralmente, a pessoa também tem episódios depressivos, tipicamente durando pelo menos duas semanas. Os sintomas de mania ou depressão devem ser uma grande mudança do comportamento normal da pessoa.
  2. Transtorno Bipolar Tipo II é definido por um padrão de episódios depressivos alternando com episódios hipomaníacos, mas nunca um episódio pleno de mania ou misto.
  3. Transtorno Bipolar não especificado em outra parte (BP-NOS) é diagnosticado quando a pessoa tem os sintomas da doença que não completam com exatidão os critérios para o transtorno bipolar I ou II. Os sintomas às vezes não duram tempo suficiente ou a pessoa tem apenas poucos sintomas para fazer o diagnóstico de certeza. Contudo, estes sintomas são claramente um estado for a do comportamento normal da pessoa.
  4. Transtorno Ciclotímico ou Ciclotimia é uma forma mais leve do transtorno bipolar. Pessoas com ciclotimia apresentam episódios de hipomania que ficam alternando com depressão leve por pelo menos dois anos. Contudo, os sintomas não preenchem os requerimentos diagnósticos necessários para os outros tipos de transtorno bipolar.

Algumas pessoas podem ser diagnosticadas como Transtorno Bipolar de Ciclagem Rápida. Isto se dá quando uma pessoa tem quarto ou mais episódios de depressão, hipomania, mania ou estado misto dentro do período de um ano.2 Algumas pessoas podem apresentar mais de um episódio em uma semana ou até no mesmo dia. A ciclagem rápida parece mais comum em pessoas com transtorno bipolar grave e pode ser mais frequente em pessoas que tiveram o primeiro episódio mais jovens. Um estudo mostrou que cicladores rápidos tiveram seu primeiro episódio em media quarto anos antes, durante o meio ou o fim da adolescência, em comparação com as pessoas portadoras do transtorno bipolar que não são cicladores rápidos.3 A ciclagem rápida afeta mais mulheres que homens.4

O Transtorno Bipolar tende a piorar se não for tratado. Com o tempo, a pessoa pode sofrer maior número e mais graves episódios do que no início da doença.5 Além disso, atraso no diagnóstico correto e tratamento aumentam as chances da pessoa apresentar problemas na esfera pessoal, social e relacionados ao trabalho.6

O diagnostico e tratamento adequado ajudam os portadores do Transtorno Bipolar a manter vidas saudáveis e produtivas. Na maioria dos casos, o tratamento pode ajudar a reduzir a frequência e gravidade dos episódios.

Que doenças geralmente coexistem com o Transtorno Bipolar?

O abuso de substâncias é muito comum nas pessoas com Transtorno Bipolar, mas a ligação entre estes problemas ainda não é clara.7 Algumas pessoas podem tentar tratar seus sintomas com álcool ou drogas. Entretanto, o abuso de substâncias pode ser o gatilho ou prolongar os sintomas bipolares e os problemas de controle do comportamento na mania podem resultar em consume de álcool excessivo.

Transtornos ansiosos, como Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) e fobia social, também coexistem com frequência entre os portadores do transtorno bipolar.8-10 O Transtorno Bipolar também coexiste com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), que possui alguns sintomas que coincidem com o transtorno bipolar, como inquietação e facilidade para distrair-se.

Pessoas com transtorno bipolar também tem maior risco para doenças da tireoide, enxaqueca, doença cardíaca, diabetes, obesidade e outras doenças físicas.10,11 Estas doenças podem causas sintomas de mania ou depressão. Elas também podem resultar do tratamento do transtorno bipolar.

Outras doenças podem tornar difícil o diagnóstico e tratamento do transtorno bipolar. Pessoas com Transtorno Bipolar devem monitorar sua saúde física e mental. Se um sintoma não melhora com o tratamento, elas devem relatar isso ao médico.

Quais são os fatores de risco para o Transtorno Bipolar?

Os cientistas ainda estão aprendendo sobre as possíveis causas do transtorno bipolar. A maioria dos cientistas concorda que não existe uma causa única. Ao contrário, muitos fatores parecem atuar juntos para produzir a doença ou aumentar o risco.

Genética

O Transtorno Bipolar tende a ocorrer em famílias, então os pesquisadores estão procurando por genes que possam aumentar a chance de uma pessoa desenvolver a doença. Os genes são os tijolos da construção da nossa hereditariedade. Eles ajudam a controlar como o cérebro trabalha e cresce. Os genes estão contidos dentro das nossas células e passam de pais para filhos.

Crianças com um dos pais ou irmãos portadores de transtorno bipolar tem quarto a seis vezes mais chance de desenvolver a doença, comparados com crianças que não possuem histórico na família de transtorno bipolar.12 Contudo, a maioria das crianças com história familiar de transtorno bipolar não irá desenvolver a doença.

Como o Transtorno Bipolar é diagnosticado?

O primeiro passo para se obter um diagnostico apropriado é falar com um médico, que poderá realizar um exame físico, uma entrevista e testes laboratoriais. O Transtorno Bipolar não pode ser diagnosticado através de exames de sangue ou exames de imagem do cérebro, mas estes exames podem ajudar a descartar outros fatores contribuintes, como acidentes vasculares ou tumores. Se os problemas não são causados por outras doenças, o médico poderá conduzir uma avaliação de saúde mental. O medico poderá também encaminhar o paciente a um medico especialista, como um psiquiatra, que tem experiência no diagnóstico e tratamento do transtorno bipolar.

O médico ou profissional de saúde mental deve conduzir uma avaliação diagnóstica completa. Ele ou ela deve discutir qualquer história familiar de transtorno bipolar ou outros transtornos psiquiátricos e obter uma história completa dos sintomas. O medico ou profissional de saúde mental deve também falar com os parentes próximos ou esposa/o e avaliar como estes descrevem os sintomas do paciente e a história familiar.

Pessoas com transtorno bipolar tendem a procura ajuda quando estão deprimidas e não quando estão em mania ou hipomania.17 Assim, uma história médica cuidadosa é necessária para garantir que o diagnóstico de transtorno bipolar não está sendo erroneamente trocado por transtorno depressivo, também conhecido como depressão unipolar. Diferente das pessoas com transtorno bipolar, portadores de depressão unipolar não apresentam mania. Sempre que possível, prontuários anteriores e informações da família e amigos devem também ser incluídos na história médica.

Referências

* Este texto foi extraído de National Institute of Mental Health - NIMH・Bipolar Disorder http://www.nimh.nih.gov/health/publications/bipolar-disorder/complete-index.shtml

  1. Kessler RC, Berglund P, Demler O, Jin R, Merikangas KR, Walters EE. Lifetime prevalence and age-of-onset distributions of DSM-IV disorders in the National Comorbidity Survey Replication. Arch Gen Psychiatry. 2005 Jun;62(6):593-602.
  2. Akiskal HS. "Mood Disorders: Clinical Features." in Sadock BJ, Sadock VA (ed). (2005). Kaplan & Sadock's Comprehensive Textbook of Psychiatry. Lippincott Williams & Wilkins:Philadelphia.
  3. Schneck CD, Miklowitz DJ, Miyahara S, Araga M, Wisniewski S, Gyulai L, Allen MH, Thase ME, Sachs GS. The prospective course of rapid-cycling bipolar disorder: findings from the STEP-BD. Am J Psychiatry. 2008 Mar;165(3):370-7; quiz 410.
  4. Schneck CD, Miklowitz DJ, Calabrese JR, Allen MH, Thomas MR, Wisniewski SR, Miyahara S, Shelton MD, Ketter TA, Goldberg JF, Bowden CL, Sachs GS. Phenomenology of rapid-cycling bipolar disorder: data from the first 500 participants in the Systematic Treatment Enhancement Program. Am J Psychiatry. 2004 Oct;161(10):1902-1908.
  5. Goodwin FK, Jamison KR. (2007) Manic-Depressive Illness: Bipolar Disorders and Recurrent Depression, Second Edition. Oxford University Press:New York.
  6. Constituency Survey: Living With Bipolar Disorder: How Far Have We Really Come? National Depressive and Manic-Depressive Association. 2001.
  7. Bizzarri JV, Sbrana A, Rucci P, Ravani L, Massei GJ, Gonnelli C, Spagnolli S, Doria MR, Raimondi F, Endicott J, Dell'Osso L, Cassano GB. The spectrum of substance abuse in bipolar disorder: reasons for use, sensation seeking and substance sensitivity. Bipolar Disord. 2007 May;9(3):213-220.
  8. Mueser KT, Goodman LB, Trumbetta SL, Rosenberg SD, Osher C, Vidaver R, Auciello P, Foy DW. Trauma and posttraumatic stress disorder in severe mental illness. J Consult Clin Psychol. 1998 Jun;66(3):493-499.
  9. Strakowski SM, Sax KW, McElroy SL, Keck PE, Jr., Hawkins JM, West SA. Course of psychiatric and substance abuse syndromes co-occurring with bipolar disorder after a first psychiatric hospitalization. J Consult Clin Psychol. 1998 Sep;59(9):465-471.
  10. Krishnan KR. Psychiatric and medical comorbidities of bipolar disorder. Psychosom Med. 2005 Jan-Feb;67(1):1-8.
  11. Kupfer DJ. The increasing medical burden in bipolar disorder. JAMA. 2005 May 25;293(20):2528-2530.
  12. Nurnberger JI, Jr., Foroud T. Genetics of bipolar affective disorder. Curr Psychiatry Rep. 2000 Apr;2(2):147-157.
  13. Potash JB, Toolan J, Steele J, Miller EB, Pearl J, Zandi PP, Schulze TG, Kassem L, Simpson SG, Lopez V, MacKinnon DF, McMahon FJ. The bipolar disorder phenome database: a resource for genetic studies. Am J Psychiatry. 2007 Aug;164(8):1229-1237.
  14. Soares JC, Mann JJ. The functional neuroanatomy of mood disorders. J Psychiatr Res. 1997 Jul-Aug;31(4):393-432.
  15. Soares JC, Mann JJ. The anatomy of mood disorders--review of structural neuroimaging studies. Biol Psychiatry. 1997 Jan 1;41(1):86-106.
  16. Gogtay N, Ordonez A, Herman DH, Hayashi KM, Greenstein D, Vaituzis C, Lenane M, Clasen L, Sharp W, Giedd JN, Jung D, Nugent Iii TF, Toga AW, Leibenluft E, Thompson PM, Rapoport JL. Dynamic mapping of cortical development before and after the onset of pediatric bipolar illness. J Child Psychol Psychiatry. 2007 Sep;48(9):852-862.
  17. Hirschfeld RM. Psychiatric Management, from "Guideline Watch: Practice Guideline for the Treatment of Patients With Bipolar Disorder, 2nd Edition".
    http://www.psychiatryonline.com/content.aspx?aID=148440 . Accessed on February 11, 2008.